Belo Horizonte, 22/11/2019

26 de abril, Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial

por Redação | publicado em quinta, 26 de abril de 2018



Pressão a partir de 130×80 já é considerada alta para Associação Americana do Coração

Entidade redefiniu o novo índice de controle de pressão que deve ser considerado no diagnóstico da hipertensão, que antes era a partir de 140×90; cardiologia chama a atenção para cuidados básicos

O Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial é celebrado em 26 de abril, entretanto, os brasileiros não têm muito o que comemorar. De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, no mínimo, 25% da população adulta apresenta níveis elevados de pressão arterial. O quadro, caracterizado por uma vasoconstrição nos vasos sanguíneos, está por trás de desfechos graves. Para se ter ideia, a Organização Mundial da Saúde calcula que a hipertensão é responsável por 51% das mortes por derrame e 45% dos óbitos associados a doenças cardíacas.

Recentemente, a Associação Americana do Coração, na Conferência Sessões Científicas, realizada em novembro de 2017, redefiniu o novo índice de controle da pressão arterial que deve ser considerado no diagnóstico. A partir daí, a doença deve ser tratada quando a pressão arterial chegar a 130/80 e não mais 140/90. Com a mudança, cerca de 46% da população dos Estados Unidos, por exemplo, será considerada hipertensa. A pressão recomendada pelos médicos é de 120/80. A nova diretriz da pressão arterial vai contribuir para um diagnóstico precoce da doença, assim, será possível iniciar um tratamento com mudanças de hábitos de vida e alimentares.

De acordo com o cardiologista Augusto Vilela é possível controlar a pressão ao incluir na dieta alimentos mais saudáveis, como frutas, cereais, verduras, legumes e carnes magras. Reduzir o consumo de sal, bebidas alcoólicas e doces. A prática da atividade física é fundamental para uma vida saudável, além de ajudar a perder peso. Em alguns casos, quando a pressão arterial é controlada é possível até evitar o uso de medicamentos. “A hipertensão não controlada pode provocar acidentes vasculares cerebrais, doença renal grave, doenças cardiovasculares e outras doenças. Alguns fatores contribuem para que a pressão arterial sofra uma elevação, como questão genética, idade, dieta, prática de exercício físico, obesidade e estresse emocional”, afirma.

Dicas:

Alimente-se de forma saudável
“Priorize o consumo de frutas, hortaliças, fibras, cereais integrais, carnes brancas e laticínios com baixo teor de gordura. Reduza a ingestão de carne vermelha, doces e bebidas com açúcar”

Reduza o sal
“A quantidade máxima considerada saudável para a ingestão alimentar diária de cloreto de sódio (sal de cozinha) é de 5 g (que corresponde a 2 g de sódio). Na prática, recomenda-se o consumo de, no máximo, 3 colheres de café rasas (3g), que somados aos 2g de sal já existentes nos próprios alimentos contemplaria o total de 5g.”

Cuidado com excesso de peso
“Deve-se manter o controle do peso com índice de massa corporal menor que 25 Kg/m² e prática regular de atividade física aeróbia como caminhadas por, pelo menos, 30 minutos por dia, três vezes por semana.”

Beba com moderação
“Não fumar e limitar o consumo diário de álcool a uma dose nas mulheres e pessoas com baixo peso e duas doses nos homens (limite de ingestão do álcool não é cumulativa para o fim de semana!).”

Sobre Augusto Vilela:

O cardiologista mineiro, Augusto Vilela, é o mais novo integrante do time de médicos do Hospital Vera Cruz, em BH. Vilela tem atuação expressiva nas áreas de Insuficiência Cardíaca e Cardiologia da Mulher (Gestação de Alto Risco). Ele ainda é autor adjunto dos Pocket Books (livro de bolso), edição 2016-2017, da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) e possui publicações de trabalhos em congressos e artigos em mídias especializadas internacionais. Augusto Vilela tem 34 anos e já atua como cardiologista dos hospitais Mater Dei e Belo Horizonte.


Comentários