Belo Horizonte, 02/07/2022

AM Galeria recebe obras inéditas de Ascânio MMM

por redacao | publicado em sexta, 11 de março de 2022



Foto: Ascânio MMM/ Thales Leite

"Quacors e Prismas” terá 16 obras nunca vistas no Brasil

A AM Galeria recebe, entre os dias 12 de março e 23 de abril, a exposição inédita e gratuita QUACORS e PRISMAS, de um dos mais respeitados escultores da atualidade, Ascânio MMM. Nascido em Portugal, Ascânio é naturalizado brasileiro e mora no Rio de Janeiro desde 1959

A exposição, que tem textos curatoriais de Agnaldo Farias e Cristina Tejo, terá 16 obras inéditas no Brasil. “São trabalhos que desenvolvi durante o ano de 2020. Após ficar 60 dias confinado em casa, transferi-me para o ateliê e ali fiquei em imersão total no meu processo criativo”, conta o artista.

Todas as peças foram produzidas em alumínio, metal utilizado por Ascânio desde a década de 1980 como alternativa mais resistente para viabilizar esculturas de grande porte. “A primeira vez que utilizei o alumínio foi em 1972, quando desenvolvi uma série de relevos de parede. Mas na época, era muito difícil trabalhar com o material, de difícil acesso, e com possibilidades restritas. Voltei ao alumínio em 1982, para substituir a madeira em duas esculturas para espaço externo”, relembra.

A partir daí, Ascânio começou a experimentar cortes, cores e fixações diversas, extrapolando o uso convencional do alumínio. “A coleção Quacors e Prismas se aprofunda em uma geometria intrigante e complexa. Serão expostas peças de quase 2 metros de altura, como a Prisma 3, belíssima”, destaca Agnaldo Farias.

O artista explica que “Quacors” - um neologismo criado por ele, que une as palavras quadrado e cor. Trata-se de híbridos de esculturas e pinturas que surgem como espécies de blocos nos quais uma sucessão de módulos quadrados - ora vazados, ora preenchidos – são articulados por parafusos dotados de certa folga, de tal forma que as composições sejam, a um só tempo, tesas e fluidas.

Prismas são trabalhos mais arquiteturais que também partem dos módulos de alumínio. Na geometria, os prismas são sólidos geométricos delimitados por faces planas. Porém, a palavra também carrega um sentido figurado que significa ponto de vista, aspecto e perspectiva.

A exposição na AM Galeria estará aberta ao público de segunda à sexta, das 11h às 19h. E, aos sábados, das 10h às 14h.

Sobre Ascânio MMM

Artista de linguagem abstrata construtiva, Ascânio mantém uma produção consciente de arte desde 1964, como afirma o respeitado crítico e curador de arte Paulo Herkenhoff. “Em quase cinco décadas de produção, Ascânio construiu uma minuciosa obra que lhe garante um lugar histórico na trajetória da abstração geométrica da América Latina”, assegura. O livro “Ascânio MMM: Poética da razão” (2013), de Herkenhoff, recontextualizou a obra do escultor situado na Geração MAM, colocando-o em outro patamar na arte contemporânea.

Nascido em Portugal no ano de 1941 e radicado no Rio de Janeiro desde 1959, Ascânio relaciona escultura, arquitetura, matemática e filosofia em sua obra, articulando a estética com o espaço público. Formado em arquitetura, atuou na área até 1976, quando passou a se dedicar integralmente à arte. O autor está presente em importantes coleções públicas e privadas de arte no Brasil e no Exterior e já expôs nas Bienais de São Paulo (1967 e 1979) e Panorama da Arte Brasileira (1970, 1972, 1975 e 1985) entre outras importantes exposições coletivas e individuais.

  • Exposições de Ascânio MMM na AM Galeria
  • 1994 - A primeira exposição individual de Ascânio MMM na AM Galeria foi em 1994, paralelamente à outra, realizada no Palácio das Artes, em Belo Horizonte.
  • 2015 - Segunda exposição individual, inaugurando o espaço onde hoje está localizada a galeria.
  • 2022 - 3ª exposição individual em Belo Horizonte com a AM Galeria.

Sobre AM Galeria de Arte

Fundada por Angela Martins, a AM Galeria iniciou suas atividades em 1989, em Belo Horizonte, representando grandes escultores brasileiros, como Franz Weissmann, Amilcar de Castro, Ascânio MMM, Sérgio Camargo, Bruno Giorgi, José Bento, Jorge dos Anjos, Marcos Coelho Benjamin, entre outros.

A galeria tem o compromisso de realizar regularmente exposições de artistas consolidados na cena artística nacional. Assim como apresentar novos nomes da produção emergente de arte contemporânea brasileira, combinando diversos meios de expressão artística, como escultura, pintura, desenho, fotografia, vídeo e instalação.

Em 2018, sob a direção de Henrique Martins Modenesi, a galeria reabriu seu espaço em São Paulo, consolidando sua presença na cena artística brasileira, além do compromisso com o fomento da arte e cultura.


Comentários