Belo Horizonte, 02/07/2022

Lamas destilaria apresenta "Um barril para chamar de seu"

por redacao | publicado em quarta, 05 de janeiro de 2022



Foto: divulgação

Projeto permite que o consumidor pode controlar o sabor e o tempo de maturação de seu whisky de acordo com seu paladar

Você sabia que manter o whisky dentro do barril pode ser benéfico à saúde, além de apurar ainda mais o sabor da bebida? O processo de maturação em tonéis de madeira é conhecidamente uma etapa de fundamental importância para obtenção de um destilado de qualidade. De acordo com estudos de diversos centros de pesquisa, durante o processo de maturação, vários compostos fenólicos são incorporados à bebida, que estão diretamente relacionados com a melhora no aroma e paladar, além das reações que causam bem-estar. Os compostos fenólicos são capazes de exercer efeitos preventivos e curativos em distúrbios fisiológicos no ser humano, além da ação antioxidante e anti-estresse.

Os benefícios são inúmeros, e foi pensando em sempre oferecer a melhor experiência a seus consumidores que a Lamas Destilaria desenvolveu o projeto Um barril pra chamar de seu: “É a oportunidade de controlar o envelhecimento de um whisky Lamas conforme o gosto e curiosidade, desfrutando de todos os momentos que envolvem a mágica transformação da bebida, à medida que ela interage e reage com a madeira”, explica Luciana Lamas, sócia e responsável pelo marketing do negócio.

Os barris que inicialmente compunham parte da adega própria da destilaria foram reformadospara tamanhos menores que variam entre 3, 5, 10 e 20 litros, e requeimados, recebendo novas tostas e torras que praticamente renovam suas características, deixando-os iguais aos do primeiro uso.

Aos mais ansiosos, que imaginam uma maturação de anos como apresentado nos rótulos dos whiskies importados mais famosos, Luciana explica que essa maturação caseira deverá durar, incialmente, seis meses em média.“Essa redução acontece por uma soma de fatores, a começar pela temperatura média no Brasil, muito mais elevada do que na Escócia, por exemplo. Isso faz com que a movimentação das moléculas torne-se mais ativa, fazendo com que as reações entre álcool e madeira sejam favorecidas. Além disso, o tamanho menor do barril faz com que sua superfície específica, aquela que está em contato direto com a bebida, seja muito maior do que num barril de 200 litros, potencializando e, consequentemente, reduzindo o tempo dessa maturação”, detalha a empresária, que complementa: “não há certo ou errado aqui. Tudo irá depender do que for bom para o paladar do consumidor, podendo ser com mais ou até menos tempo do que o indicado”.

Como parte do kit, a destilaria disponibiliza aos clientes duas opções dos seus maltes, sendo eles o Plenus, um single maltde entrada, e o Nimbus, um single malt defumado. De acordo com Luciana, eles são retirados dos barris de 200 litros com aproximadamente três anos de maturação. “De acordo com a legislação brasileira, eles já são considerados whiskies e podem ser degustados. Porém, terão menos complexidade em comparação às próprias versões mais maturadas, entre seis e sete anos,que disponibilizamos no mercado atualmente. Com essas versões mais jovens os consumidores poderão dar um toque final e criar sua melhor versão ao longo do processo, percebendo que, a cada experiência, um novo bouquet sensorial será entregue à bebida, pois as interações com a madeira serão diferentes a cada enchimento.”, diz.

Acompanhado de um manual, uma espécie de diário que norteia os consumidores no passo a passo da maturação, o kit ainda conta com cinco garrafinhas de vidro de 50ml, em que os “mestres” caseiros do whisky poderão retirar pequenas amostras, de preferência mensalmente, e armazená-las em uma caixa especial de recordação. “Esse ritual mostra a evolução do malte dentro do barril, principalmente quando analisadas suas cores, que mudam com o passar do tempo graças às inúmeras reações físico-químicas que acontecem entre o álcool e a madeira”, revela Luciana. O cliente recebe ainda uma taça ISO de cristal, própria para degustação, e minuciosas orientações para as provas sensoriais, com espaço para as anotações de todos os aspectos encontrados no whisky em seus diferentes estágios de maturação.

Definitivamente, a proposta da Lamas Destilaria vai muito além da comercialização de um produto. O barril interativo oferece uma relação singular que coloca o consumidor no controle dos sabores, desperta sua sensibilidade transformando completamente sua experiência com a bebida. E para que essa relação perdure, Luciana avisa: “quando a bebida atingir o sensorial desejado,basta engarrafar todo o conteúdo e adquirir um refil para enchê-lo novamente, reiniciando assim todo o processo. Porém, desta vez o barril se comportará como em um segundo uso, já que a madeira vai se exaurindo e, proporcionalmente, o tempo de maturação tende a aumentar a cada novo enchimento. De acordo com a nossa experiência, acreditamos que estes barris menores possam ser usados por algo entre seis a oito vezes, podendo variar de acordo com o manuseio, local de armazenamento e o tempo de cada enchimento”, encerra.


Comentários