Belo Horizonte, 15/08/2022

Líder da greve dos caminhoneiros em 2018 afirma que Brasil deve parar em protesto contra o novo reajuste da Petrobras

por redacao | publicado em quinta, 10 de março de 2022



Após a Petrobras anunciar, nesta quinta (10), uma alta de 18 % no preço da gasolina de 25% no diesel, Wanderlei Alves, conhecido como Dedeco, um dos principais líderes da greve de caminhoneiros de 2018, afirma que o Brasil tem que parar em protesto contra o novo reajuste. "Os caminhoneiros autônomos e os empresários de transporte têm que se unir e parar o país. Ninguém vai aguentar. As transportadoras que têm 500, mil caminhões, com milhares de funcionários para pagar, vão quebrar", reforça Dedeco. Para o caminhoneiro, a guerra da Rússia contra a Ucrânia está sendo utilizada como uma "desculpa para enriquecer ainda mais os donos da Petrobras". “Eles já tiveram um lucro absurdo, doentio com os aumentos mais recentes, e estão ficando milionários às custas da tragédia de todos nós. Só quem está feliz hoje no país são os investidores da Petrobras", completa. Ainda segundo ele, em uma parada feita em Mato Grosso, pagou R$ 6,8 o litro para abastecer seu caminhão, protestando que passará a pagar mais de R$ 8 com a alta.


Comentários