Belo Horizonte, 13/11/2019

Transição capilar: Como passar pelo processo sem sofrimento

por Redação | publicado em terça, 06 de agosto de 2019



Abandondar os procedimentos químicos e assumir os cabelos naturais tem sido o desejo de muitas mulheres. E, foi pensando nelas que Douglas Baptista, cabeleireiro e gestor pedagógico do Instituto Embelleze, reuniu as melhores dicas para amenizar o processo que requer muita dedicação e paciência

Celebridades como a cantora Ludmilla e até a ex-primeira dama americana, Michelle Obama, estão arrasando com seus cachos naturais depois da transição capilar. O processo consiste em recuperar e assumir o formato ondulado ou crespo do cabelo, depois de ser lisa por um determinado período de químicas.

Sair da progressiva, escova definitiva, relaxamento ou outros métodos não é nada fácil, afinal demanda muita paciência e cuidados especiais durante um bom tempo. Mas quem já encarou a situação assina embaixo: vale a pena! E é justamente essa propagação positiva a responsável pela forte tendência na adesão à transição capilar. Entre os motivos relevantes dessa mudança de comportamento estão o poder nocivo das substâncias que alisam e a libertação de ter um cabelo cacheado natural e, por consequência, mais saudável!

Para auxiliar as mulheres que estão pensando em enfrentar essa grande mudança, o cabelereiro e gestor pedagógico do Instituto Embelleze, maior rede de franquias da América Latina especializada em profissionalização no setor da beleza, Douglas Baptista, elencou quatro dicas essenciais para que o processo se torne mais tranquilo. Confira!

:: Etapa 1 – Abandonar a química

A partir do momento em que a decisão de não retocar mais os procedimentos químicos é feita, é preciso segurar a ansiedade e começar a exercitar a paciência. Para uma transição capilar sem drama ou complicações, a melhor saída é focar no objetivo de recuperar os fios naturais e a saúde do cabelo. "Isso porque o processo pode ser demorado e diferente para cada tipo de cabelo, então é preciso saber esperar. É bom ter em mente que nenhum produto é milagroso, o melhor aliado nesse processo é mesmo o tempo", enfatiza Douglas.

Outro ponto importante é que quanto maior a diferença de textura entre os fios naturais e os processados químicos, maior o tempo necessário para a finalização do processo. Além da resiliência, alguns métodos podem ajudar bastante, como penteados que disfarçam a diferença entre as texturas, produtos que nutrem e hidratam e cuidados essenciais no dia a dia. Tudo isso pode amenizar a angústia dessa fase. "Esse arsenal de alternativas, além de auxiliar na beleza e saúde do fio, ajuda na harmonização de texturas similares entre pontas e raiz e no crescimento do cabelo, fazendo com que o período de transição passe mais rápido", garante o profissional.

:: Etapa 2 – Esperar o cabelo crescer

Além da paciência, a transição capilar ainda envolve autoestima, tema delicado para muitas mulheres. No entanto, existem alguns cuidados especiais para resistir à química neste período em que o cabelo fica sem forma e com um volume indesejado. É o momento de recorrer a alguns truques para conviver tranquilamente com a raiz ondulada e o comprimento liso.

"O período de adaptação é perfeito para descobrir formas distintas de como usar o cabelo. Além de testar novos penteados, vale apostar também em acessórios diferentes, como lenços, turbantes e bandanas. Os tecidos estão super em alta como adorno de cabeça!", indica o profissional do Instituto Embelleze.

Para disfarçar a diferença entre a parte do cabelo cacheado que está nascendo e a parte alisada, a chave é a texturização. "O método consiste em cachear a parte alisada com bobes, bigudinhos ou até mesmo enrolando os fios com os dedos.", instrui Douglas. O cabelereiro ainda ressalta a importância de evitar ferramentas de calor, como o babyliss, por conta da fragilidade em que o fio se encontra.

:: Etapa 3 – Cuidar intensamente da saúde dos fios

O fio danificado por químicas alisantes perde as cutículas, sua proteção natural e, com o tempo, fica desidratado e sem nutrientes. O cronograma capilar é fundamental nesta fase, estipulando um calendário para os cuidados com o cabelo. Os tratamentos alternam entre hidratação, nutrição e reconstrução, processos que têm princípios ativos diferentes e se complementam, fornecendo aos fios tudo o que eles precisam na etapa de fragilidade extrema.

"A hidratação, feita com máscaras concentradas, repõe a água do cabelo. A nutrição, por sua vez, recupera a oleosidade natural da raiz que nutre os fios e os ativos essenciais, podendo ser feita com óleos comerciais ou os naturais, como o de amêndoa ou oliva. Já a reconstrução é essencial para recuperar a queratina e formar de novo a cadeia de aminoácidos que reestrutura o fio danificado por químicas pesadas, como as dos métodos de alisamentos. Geralmente, os produtos ideais para reconstruir o fio são à base de óleos e manteigas, como os de karité, argan ou murumuru", ensina Douglas.

:: Etapa 4 – Livrar-se de vez da parte lisa do cabelo

Quando chega a fase em que é possível cortar uma boa parte dos fios alisados e começar a dar forma ao caimento dos fios naturais é sinal de que a angústia da transição está chegando ao fim! No entanto, é preciso conhecimento para saber qual o momento certo de recorrer a tesoura.

Dependendo do caimento do cabelo, quando a raiz crespa começa a crescer, o corte costuma ficar irregular, por isso é importante ouvir a opinião de um cabeleireiro. Em alguns casos, o corte reto, o mais desejado pelas mulheres, pode deixar as pontas desiguais e não ter um crescimento harmônico. Já o corte em camadas é quase sempre a melhor solução, pois traz simetria ao cabelo. Ainda assim, é importante analisar caso a caso. Só mesmo um profissional especializado para indicar o estilo de corte correto.

"As mais corajosas costumam cortar o mal pela raiz, literalmente - se jogam no corte radical, bem curtinho, conhecido como big chop. Para as mais receosas, também é super interessante apostar em pequenos e frequentes cortes. Dessa forma, não haverá nenhuma mudança radical e os fios ainda serão estimulados a cachear com cada vez mais facilidade", finaliza o cabeleireiro.

Sobre o Instituto Embelleze

Fundado em 1998, o Instituto Embelleze é a maior rede de franquias da América Latina voltada para a formação profissional em beleza. Aderiu ao franchising em 2003, após parceria firmada com a SMZTO Holding de Franquias. Pioneira no setor, a rede acredita que é possível transformar vidas por meio da educação e capacitação de profissionais na arte de embelezar. Presente em todo o território nacional, a marca possui aproximadamente 350 unidades no Brasil e inicia o processo de expansão internacional com duas unidades inauguradas no Equador, além de uma nos Estados Unidos com previsão de inauguração até o fim de 2019. Em 15 anos, já são mais de 2 milhões de profissionais formados como cabeleireiro, barbeiro, maquiador, depilador, manicure e pedicure, designer de sobrancelhas, entre outras especializações. Em 2018, a rede recebeu o seu décimo Selo consecutivo de Excelência em Franchising, concedido pela Associação Brasileira de Franchising (ABF).


Comentários